11 de nov de 2009

O DIA ACABOU NO MOMENTO EM QUE OS OLHOS SE ABRIRAM



Voltemos ao negro 8 de Dezembro de 2004. A notícia da morte de Darrell Abbott, o "Dimebag", guitarrista do Damageplan, e ex-Pantera, atingiu em cheio milhões de pessoas ao redor do mundo. Os disparos precisos contra a cabeça do músico e também em direção ao público e a outros membros de sua banda ricochetearam milhas de distância e levaram a nocaute meros leitores, espectadores espantados digitando milhares de endereços WEB em busca de maiores informações sobre o inaceitável.
Mark Chapman, o monstro de cerca de duas décadas e meia atrás, ganhava nova forma e disposição na pessoa de Nathan Gale, jovem de vinte e cinco anos, ex-integrante da marinha norte-americana, que decidiu tentar outro papel na vida que não o de figurante. Ele subiu ao palco logo nos primeiros segundos da apresentação do Damageplan e derrubou um dos guitarristas mais influentes e saudados dos anos noventa com quatro ou cinco tiros a queima-roupa.
Detentor de um estilo distinto, de timbres fortíssimos, e harmônicos inimagináveis, Dimebag contribuiu para diferentes concepções acerca da música pesada, a maneira de tocá-la, e as suas possibilidades. Influenciou toda uma geração levando seus objetivos à extremidade da prática e constituindo, após uma fase hard rock inicial, um dos mais convincentes e brutais conjuntos de metal da história, o PanterA, ao lado de Rex Brown (baixo), Phil Anselmo (vocais), e de seu irmão Vinnie Paul (Vince Abbott - bateria).
Um ano antes abandonou sua bem-sucedida investida devido a excessivo desgaste na relação do conjunto e, especialmente, sérios conflitos com o vocalista. Imediatamente, e em família, o esqueleto de um novo projeto surgia. Os Abbott criavam o New Found Power, posteriormente mudando de nome para Damageplan, e concretizando a formação com Bob Zilla (baixo) e Patrick Lachman (Diesel Machine – Halford).
Apesar de certo sucesso, o álbum de estréia que levou o antigo nome proposto para o grupo, não rendeu o desejado. Vendeu pouco perto dos lançamentos anteriores em que se envolveram os irmãos e mostrou que havia muito o que melhorar e, o principal, que a sombra do PanterA não os deixaria.
Segundo alguns relatos de testemunhas, os motivos que levaram Gale ao crime tinham estreita conexão à separação e às subseqüentes brigas com o polêmico Phil Anselmo.
O assassinato de Dimebag Darrell, quaisquer sejam as razões, marca a ferro quente o corpo do rock. Destrói um grupo, despedaça sentimentos e faz-me perguntar durante horas: "o que esperar da raça humana? Algo mais?"
Quando um indivíduo sobe num palco para assassinar o artista que idolatra, perdemos a referência, o ponto de apoio. A coisa só piora e devemos seriamente nos questionar quem é o verdadeiro doente nisso tudo quando a dor da morte é praticamente ignorada pela maior rede de televisão de um país.
Além de reportagem evasiva, a Globo levou ao seu jornal de fim-de-noite um discurso calcado no famoso e dominante "falso moralismo". A vítima virou responsável pela própria morte, pelo simples fato de existir e dedicar seu tempo a tocar um instrumento. A monstruosidade torna-se justificável no dizer popular de "violência gera violência". Como se a agressividade da música dissesse da relação fãs-ídolos. Ora, Arnaldo Jabor & cia, há vinte e nove anos atrás John Lennon sofria ataque similar "tocando a suave ‘Imagine’", desejando um mundo melhor. Onde Mark Chapman, o assassino do eterno Beatle, haveria sido afetado por aquilo que você chama de "barulho"? Na pancadaria de dedos contra um teclado? Assim sendo, que tal imaginar os surtos que fãs de Wagner e Beethoven deveriam ter vendo então violinos debulhados por execuções maestrais de suas composições?
Tudo o que eu precisava neste momento era não saber. E é talvez este um dos grandes problemas deste "maravilhoso mundo". Estamos cansados de saber. Informação, conhecimento, todos essas glórias de seres racionais que se comportam de maneira consideravelmente mais animal que a maioria das espécies que já exterminou ou ainda pretende findar.
Ser humano... este maldito "humano" que nos diferencia e faz com que imaginemos alguma superioridade em relação aos outros seres pela racionalidade, pelo simples pensar. De que vale isto frente a uma arma, dois aviões colidindo com prédios? Para que? Por quê?
Quanto mais tentamos explicar, mais criamos seres que primam por tentar alcançar a genialidade de outros em tempos passados, ou seja, batalham arduamente para se tornarem inexplicáveis. Esta é a maior semelhança entre Chapman, Gale, e esta quantidade de "maníacos" - como acostumamo-nos a chamar – por aí na atualidade. Neste sentido, aproximam-se, em seus próprios tempos, e por vias trágicas, das características de grandes gênios, incompreendidos e odiados por seus contemporâneos.
O que posso chamar de factualmente genial é, longe de toda essa racionalidade, a obra do alienado. Afinal, a coisa mais incompreensível é como alguém pode dissertar sobre um "mundo maravilhoso". Louis Armstrong sim é um gênio delirante, absoluto. Que este mestre divida conosco, pobres hiperconscientizados pós-modernistas, a habilidade de se alienar, criando uma auto-proteção capaz de afastar-nos das terríveis realidades diárias, ou do simples fato de existirmos, ou como bem alerta a ambígua expressão, de "corrermos risco de vida" por estarmos simplesmente vivos.
Amanhã é outro dia, a ruína de sentimentos, o despedaçado ser (supostamente humano) deve responder à sua sociedade (supostamente racional), trabalhando, estudando, se relacionando, como se nada houvesse acontecido.

Nenhum comentário: